Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/09/19 às 15h21 - Atualizado em 28/09/19 às 15h22

Ação de regularização atende cerca de 120 pessoas

COMPARTILHAR

 

A Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri-DF), através da Subsecretaria de Regularização Fundiária (SRF) e da Central de Regularização, com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), realizou nesta sexta-feira, 27 de setembro, mais uma Ação de Regularização Fundiária Rural.

 

A ação, que foi realizada no escritório da Emater em Brazlândia, atendeu cerca de 120 pessoas, onde foi dado entrada em 50 processos de regularização. Além de auxiliar no processo de regularização, a ação tem o objetivo de esclarecer dúvidas e auxiliar os produtores em questões relacionadas à titularização de suas terras.

 

O subsecretário de Regularização Fundiária, Vilmar ngelo, destacou a importância da parceria da Emater nesse tipo de ação que, segundo ele, ajuda a reforçar, cada vez mais, o Sistema de Agricultura do DF, que é composto por Seagri, Emater e Centrais de Abastecimento (Ceasa). “A ação foi excelente, contamos com o apoio do escritório da Emater e de seus servidores. O auxílio foi importantíssimo, imprescindível. Então essa ação reforça atuação do Sistema Agricultura”, afirmou.

 

A gerente do escritório da Emater de Brazlândia, Magali De Ávila Fortes, também ressaltou a importância do trabalho em conjunto, entre a Emater e a Seagri, para dar mais agilidade ao processo de regularização fundiária. “É uma parceria muito importante, porque aproxima o produtor da Secretaria. Muitas vezes ele tem essa dificuldade de ir até o Plano Piloto para resolver esses problemas da regularização, e nós somos essa ponte entre o produtor e a Secretaria. Essa parceria é muito bem vinda e estamos à disposição”, ressaltou.

 

Para o produtor rural, Antônio Rodrigues Prado, ter o documento da terra é essencial para produzir com segurança. “Eu moro lá há 27 anos. Planto mandioca, milho, feijão e café. Tenho tudo lá. O título da terra é uma coisa que a gente precisa. Isso é muito bom, é uma segurança”, destacou.

 

Ademir José Duta de Moraes conta que a terra pertencia ao seu pai. Segundo ele, a terra regularizada significa uma preocupação a menos para o produtor. “Eu acho muito bom a regularização. Porque a terra fica sendo da gente mesmo. É uma preocupação a menos, representa muito e é uma garantia”, disse.

 

A regularização fundiária rural é uma das principais demandas de produtores de todo o Distrito Federal. Segundo eles, o documento gera segurança jurídica e facilita a obtenção por crédito para investimentos. Lembrando que o prazo final para o processo de regularização é 15 de abril de 2020.

 

Texto e foto: Ascom Seagri-DF