Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/07/20 às 10h50 - Atualizado em 21/07/20 às 10h50

Instrumentos jurídicos para a regularização

COMPARTILHAR

Quais os instrumentos jurídicos utilizados para a regularização?

A Lei nº 5.803/2017 prevê quatro instrumentos:

I – legitimação de posse para a gleba com característica rural inserida em zona urbana ou gleba rural que não possua matrícula individualizada;

II – Concessão de Uso Oneroso – CDU, com vigência de 30 anos, renovável por igual período, mediante retribuição anual;

III – Concessão de Direito Real de Uso – CDRU:

a) mediante retribuição anual, com prazo determinado e vigência de 30 anos, renovável por igual período;

b) mediante alienação do direito real de uso, por prazo indeterminado;

IV – escritura de compra e venda.

 

O que é legitimação de posse?

Essa modalidade de regularização ainda não foi regulamentada.

 

O que é Concessão de Uso Oneroso – CDU?

Instrumento pelo qual a Administração Pública transmite ao particular, de forma onerosa e mediante retribuição anual previamente fixada, o uso privativo de terra pública rural de sua propriedade, em gleba sem matrícula individualizada.

 

O que é Concessão de Direito Real de Uso – CDRU?

Instrumento público pelo qual a Administração Pública transfere ao particular, de forma onerosa e mediante retribuição anual previamente fixada, o direito real resolúvel de uso de imóvel rural de sua propriedade.

 

Qual a diferença entre a CDRU mediante retribuição anual e mediante alienação do direito real de uso?

Na modalidade de retribuição anual, o concessionário é apenas possuidor do imóveis, pagando pela sua utilização, já a modalidade de alienação do direito real de uso o concessionário compraria parte do imóvel, se tornando proprietário em comum com a concedente. Esta última modalidade ainda não foi regulamentada.

 

O que é escritura de compra e venda?

Instrumento público pelo qual a Administração Pública transfere ao particular, de forma definitiva, a titularidade do imóvel.

 

Os contratos de CDU e CDRU vêm com cláusula visando a possibilidade de compra e venda do imóvel?

Sim, porém, somente poderão ser vendidos os imóveis que se encontrem individualizados, com matrícula própria. Assim, a CDU, enquanto não for realizado o acertamento fundiário, não poderá ser vendido o imóvel.

 

Os imóveis rurais que estiverem com matrícula própria, serão vendidos?

O proprietário do imóvel, Distrito Federal ou TERRACAP, poderá dispor do imóvel, convocando o concessionário para se manifestar sobre o interesse ou não da aquisição, mas é uma faculdade inerente ao proprietário, não uma obrigação.

 

Qual o prazo de vigência da CDU e da CDRU?

É de 30 (trinta) anos, renovável. Para os contratos de transferência, sejam inter vivos ou causa mortis, o tempo de vigência é o prazo restante do contrato a ser transferido, podendo ser renovada a concessão.