Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/07/20 às 17h55 - Atualizado em 16/07/20 às 17h55

Seagri e PCDF realizam ação para fechar estabelecimento que comercializava produtos vencidos

COMPARTILHAR

 

A Secretaria da Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF) realizou uma operação em conjunto com a Polícia Civil (PCDF) com o objetivo de fechar um estabelecimento que estava comercializando, de maneira irregular, produtos de origem animal como carnes, linguiças, kits feijoada, entre outros, colocando em risco a saúde da população. No local foram encontrados por volta de duas toneladas de produtos vencidos e sem comprovação de origem.

 

Segundo o gerente de Segurança e Qualidade Alimentar da Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal (Dipova), Wendel Lago, o estabelecimento já apresentava irregularidades há um bom tempo, e inclusive já havia sofrido anteriormente uma série de penalidades e advertências, como uma multa no valor de R$ 90 mil e a interdição do estabelecimento.  “Ele não tinha permissão para continuar operando. Verificou-se uma série de irregularidades e o estabelecimento estava em pleno funcionamento com condições higiênico-sanitárias muito precárias”, explicou.

 

Ele disse ainda, que no momento da ação, uma equipe estava trabalhando no estabelecimento e reembalando produtos vencidos com uma nova data de validade. “Fora as outras inúmeras irregularidades que foram detectadas durante a abordagem”, completaram Lago.

 

O diretor da Dipova, Marco Antônio Martins, explicou que esse estabelecimento era registrado, mas estava com as atividades suspensas e vinha sendo monitorando desde então. Ele disse ainda, que estava sendo utilizado amido para dar volume aos produtos, com isso, o proprietário conseguia lucrar mais. Corantes proibidos eram usados para dar aspecto de produtos recém embalados, enganando os clientes. “A população pode ficar tranquila que a Dipova está trabalhando para que as pessoas possam consumir produtos de qualidade. É muito importante que o consumidor procure o selo da Dipova nos produtos, assim ele sabe que está comprando um produto inspecionado e seguro”, afirmou.

 

O secretário de Agricultura, Candido Teles, disse que o serviço de inspeção percebeu que o estabelecimento vinha funcionando de forma ilegal, e por isso houve a necessidade de se fechar o estabelecimento e recolher esses produtos. “Ele tem que obedecer a determinadas normas para que o consumidor possa ter segurança na hora de consumir um produto inspecionado. Garantir a qualidade é uma obrigação nossa. Por isso, a decisão de fechar o estabelecimento foi tomada para não colocar em risco a saúde da população do Distrito Federal”, afirmou e secretário de Agricultura.

 

A subsecretária de Defesa Agropecuária, Danielle Araújo, exaltou o trabalho da Dipova e lembrou que os servidores estão na rua fiscalizando, orientando e garantindo que o consumidor tenha em sua mesa produtos de qualidade. “Em tempos de pandemia, onde muitos serviços públicos estão suspensos e muitas atividades sendo desempenhadas via teletrabalho, a nossa equipe continua indo a campo para garantir que o consumidor tenha acesso a alimentos seguros”, ressaltou.

 

Foram coletadas amostras dos produtos e encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), que possui um convênio com a Seagri, para a realização das análises laboratoriais. O proprietário do estabelecimento foi preso em flagrante e foi conduzido para delegacia e os produtos impróprios para o consumo serão encaminhados para a destinação correta.

 

Ascom Seagri DF