Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/08/21 às 15h39 - Atualizado em 11/08/21 às 15h39

Operação conjunta com participação da Seagri-DF resulta na apreensão de 770kg de pescados

COMPARTILHAR

 

Nesta quarta (11), a Secretaria de Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF) participou de uma ação conjunta em dois estabelecimentos que comercializavam pescados de forma clandestina, localizados em Santa Maria e Riacho Fundo/DF. A ação, denominada Operação AQUARIS, teve o objetivo de reprimir o comércio ilegal de pescados e frutos do mar.

 

A operação contou com um efetivo de 60 pessoas, entre fiscais da Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal (Dipova) da Seagri-DF, Polícia Civil, Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF), Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e Receita do Distrito Federal.

 

Realizada simultaneamente em duas agroindústrias que manipulavam, fracionavam e embalavam pescados de forma irregular, a ação foi deflagrada após um trabalho de investigação, decorrente de denúncia recebida pela Dipova de processamento clandestino de pescados. “A gente acionou a Polícia Civil para averiguação da denúncia, que identificou essas empresas. A partir daí se formou essa operação conjunta, com a participação dessas cinco instituições”, explicou Marco Antônio Martins, diretor de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal da Seagri-DF.

 

Nos estabelecimentos foram encontrados pescados sem procedência (identificação de origem desconhecida), além de mercadorias vencidas, falsificação de selo de inspeção e validade fraudada de produtos. “Esses estabelecimentos atuavam de forma clandestina. Estavam fazendo selo por conta própria, usando um selo irregular, não registrado. Entre outras irregularidades, foi constatado também fraude da validade em um dos locais, porque rembalavam os pescados e alteravam a data de vencimento, sem considerar a validade original do produto”, esclareceu o diretor da Dipova.

 

Ao todo, foram apreendidos na operação cerca de 770 quilos de pescados nas duas agroindústrias clandestinas. Os alimentos serão destinados à alimentação dos animais da Fundação Zoológico de Brasília (FZB). Além de ter os produtos apreendidos e serem autuados pela Dipova, o estabelecimento localizado em Santa Maria foi interditado pelo Procon-DF, e encontra-se proibido de continuar suas atividades enquanto não regularizar sua situação.

 

A subsecretária de Defesa Agropecuária da Seagri-DF, Danielle Araújo, destacou a importância da ação para a população. “A Seagri trabalha para garantir a oferta de alimentos seguros para a população do DF, e essas operações conjuntas evidenciam a sintonia com que os diversos entes do Governo do Distrito Federal vêm trabalhando, com o objetivo de proteger a saúde das pessoas e garantir a concorrência leal entre as empresas do ramo alimentício”, ressaltou a subsecretária. “A ideia é educar, para garantir que todas as empresas tenham condições iguais de desenvolvimento do seu negócio, dentro do que a legislação sanitária exige”, complementou Danielle Araújo.

 

 

Texto e fotos: Ascom Seagri-DF